Entrevista Zoran Dukic

Legenda disponível em português – clique em [CC]
(Tablets and mobiles Click on 3 dots – up/right corner)

Parte I/II

Parte II/II


Images: Eduardo Sardinha e Maria Cajas
Audio: Ricardo Marui
Edition: Thiago Abdalla
Production: Lilah Kuhn
Translator: David Molina
Location: Tom Jobim – EMESP (São Paulo/BR)
Date: Nov 17th 2016

GuitarCoop Store

Bach – Piazzolla

O álbum de  Zoran Dukic  já está disponível em nossa loja.
CD com entrega para todo o Brasil e Download em alta definição.

Zoran Dukic

Zoran Dukic (1969, Zagreb) foi presenteado com um violão aos seis anos de idade, e hoje é um dos mais reconhecidos violonistas de nosso tempo. Seus concertos, tanto como solista quanto com orquestra, são enorme sucesso de público e crítica. Ele se formou na Academia de Música de Zagreb com Darko Petrinjak e completou seus estudos com Hubert Käppel na Hochschule für Musik em Colônia.

Em seus anos dourados de competições (1990-1997) Zoran Dukic recebeu inúmeros prêmios, tornando-se o único violonista a vencer ambos os concursos “Andrés Segovia,” em Granada e em Palma de Mallorca. Demonstrando espantosa maestria sobre uma grande variedade de estilos e períodos musicais, Dukic também venceu competições dedicadas a “Fernando Sor,” “Manuel Ponce,” “Manuel de Falla,” “Francisco Tárrega” e outros.

Dukic é um professor excepcionalmente entusiasmado e dedicado, e suas atividades pedagógicas são igualmente impressionantes. Ele já ensinou gerações de jovens violonistas e tem uma das turmas mais bem sucedidas da Europa. Além disso, ministra regularmente masterclasses em todo o mundo e participa frequentemente de inúmeros festivais de violão. Ele já gravou discos para gravadoras na Alemanha, Espanha, Bélgica, Brasil e Canada.

Vídeos

LARGO – BACH

Produced by GuitarCoop
Images: Eduardo Sardinha / Henrique Batista
Editing: Eduardo Sardinha
Sound Engineering: Ricardo Marui
Sound Assistant: Henrique Caldas
Musical Producer: Thiago Abdalla
Production Assistants: Lilah Kuhn | Maria Cajas
Location: Estúdio Buena Vista – Indaiatuba – SP
Date: November/2016

INVERNO PORTEÑO – PIAZZOLLA

Produced by GuitarCoop
Images: Eduardo Sardinha / Henrique Batista
Editing: Eduardo Sardinha
Sound Engineering: Ricardo Marui
Sound Assistant: Henrique Caldas
Musical Producer: Thiago Abdalla
Production Assistants: Lilah Kuhn | Maria Cajas
Location: Estúdio Buena Vista – Indaiatuba – SP
Date: November/2016

TEASER | BACH – PIAZZOLLA

Bach – Piazzolla

Em sua Investigação sobre o entendimento humano (An Enquiry concerning Human Understanding), de 1748, o filósofo escocês David Hume (1711-76) abalou um século de racionalismo cartesiano com sua crítica ao conceito de causalidade. Herdeiro de John Locke (1632-1704) e do empirismo da Escola de Oxford, ele propôs literalmente que o que chamamos de causalidade (o jogo físico das causas eficientes e seus efeitos) seria fruto do hábito: nós nos acostumamos a ver eventos sucessivos, e daí formamos uma falsa ideia de que eles seriam necessariamente vinculados.

Para ele, não há uma razão anterior que permitiria dizer que “a pedra esquenta porque o sol incide sobre ela”: os eventos são justapostos “o sol incide”/ “a pedra esquenta”, há uma contiguidade observável empiricamente, mas não é possível deduzir logicamente um do outro. Dizer que o anterior causou o posterior seria dar um passo maior do que as pernas.

Se ainda hoje o ceticismo de Hume soa estranho, na época foi um escândalo que impactou tanto a filosofia como a ciência. E mesmo que, algumas décadas mais tarde, Kant (1724-1804) tenha dado uma resposta satisfatória ao problema, o mundo já havia perdido o encanto da objetividade. Deixara de ser aquele mecanismo de leis imutáveis, aquela matemática dos afetos que emerge de uma fuga bachiana.

Pouco tempo após a morte de Johann Sebastian Bach (1685-1750), uma geração de compositores que viveram em Viena e seus arredores começou a tratar a música como um jogo de semelhanças, diferenças e justaposições, o que ecoa a imagem do mundo de Locke e Hume. Mozart (1756-91) e Haydn (1732-1809) passaram a encadear ideias sonoras em contextos díspares, como se não houvesse mais causalidade necessária. Em suas melhores obras, nada é evidente, tudo precisa ser testado: há cortes heterogêneos a nos surpreender e, no limite, as frases musicais passam a ser fruto de uma invenção que parte de uma tabula rasa – a “folha em branco” da percepção diante da realidade. Não por acaso, uma das mais famosas composições de Haydn chama-se, justamente, Sinfonia Surpresa, obra estreada em Londres na mesma temporada em que o compositor recebeu um doutorado honorífico da Universidade de Oxford.

Fugiria à proposta deste texto traçar o itinerário da justaposição como princípio de criação musical ao longo dos séculos 19 e 20. Basta, no entanto, mencionar que as sínteses improváveis entre Bach e afetividade brasileira criadas por Villa-Lobos no ciclo das Bachianas Brasileiras (1930-45) ainda fazem jus a essa concepção.

Com o surgimento dos álbuns musicais gravados por solistas e grupos (em seus diversos formatos, como disco 78 RPM, LP, CD ou para download digital) inicia-se uma fase da história da música na qual o caráter autoral dos intérpretes é intensificado. A gravação passa a ser um novo tipo de edição sonora – diverso da partitura –, que interrompe 
o tempo e fixa o som do próprio músico. Também aqui as justaposições e contiguidades não necessárias – agora entre obras ou movimentos de obras – são passíveis de gerar sentidos improváveis.

O presente álbum de Zoran Dukic é uma prova da atualidade desses procedimentos. Não é apenas a alternância rigorosa entre Bach e Astor Piazzolla (1921-92) que o define, mas o justaposição dos afetos, a contiguidade das tonalidades, a surpresa dos recortes. Embora cada interpretação seja autossustentável, este é um CD que solicita especialmente a escuta das 11 faixas em sequência, como se elas formassem uma única obra – uma suíte barroco-tanguera, as “bachianas argentinas” de Zoran Dukic.

Todas as obras de Bach aqui gravadas foram compostas em apenas seis anos (entre 1717 e 1723), no período em que ele – dos 32 aos 38 anos de idade –trabalhou em Anhalt-Köthen como mestre de capela do príncipe calvinista Leopold. 
As escolhas de Dukic recaem sobre os movimentos lentos das três Sonatas para violino solo (“Siciliana” da n.1, “Andante” da n.2 e “Largo” da n.3) e nas “Sarabandes” das duas primeiras Partitas (também para violino solo). Uma outra “Sarabande”, a da Suíte n.5 para cello (interpretada em lá menor, como é costume dos violonistas que se baseiam na versão da mesma obra para alaúde, catalogada como BWV 995) fecha a travessia.

As obras de Piazzolla foram compostas entre 1959 (Adiós Nonino, que homenageia o pai do compositor) e 1980 (“Romántico”, o segundo movimento da Cinco Piezas para Guitarra, sua única obra original para violão). As demais surgiram no rico período criativo compreendido entre 1962 e 1970: Invierno Porteño (1970) integra as Quatro Estacões de Buenos Aires (1965-70), enquanto que Milonga del Ángel e La muerte del Ángel foram compostas (junto com Introducción al Ángel) em 1962 para a peça teatral Tango del Ángel, de Alberto Rodríguez Muñoz (1915-2004). O Ciclo do Anjo seria fechado em 1965 com Resurreción del Ángel.

Nesse período o bandeonista já havia completado a formação em composição em Buenos Aires com Alberto Ginastera (1916-83) e em Paris com Nadia Boulanger (1887-1979). Com exceção das Cinco Piezas, as obras de Piazzolla aqui gravadas foram escritas para os seus diversos grupos instrumentais (octeto, quinteto, noneto e sexteto), dentre os quais se destacam duas célebres formações de quintetos com bandoneón, guitarra elétrica, piano, violino e contrabaixo.

Nas justaposições entre Bach e Piazzolla aqui propostas, Bach é sempre o pano de fundo. Ele vem em registro doce e despojado, pronto – como se fosse a coisa mais natural do mundo – para encontrar o tresillo nervoso do tango argentino.

Por Sidney Molina

JOHANN SEBASTIAN BACH (1685-1750)
1- “Largo” (III mov.) from Violin Sonata n.3 in C (BWV 1005) 

ASTOR PIAZZOLLA (1921-1992)
2 – Invierno Porten?o (arr. Se?rgio Assad) 

J. S. BACH
3 – “Andante” (III mov.) from Violin Sonata n.2 in Am (BWV 1003) 

ASTOR PIAZZOLLA
4 – Adios Nonino (arr. Cacho Tirao) 

J. S. BACH
5 – “Sarabande” (V mov.) from Violin Partita n. 1 in Bm (BWV 1002) 

ASTOR PIAZZOLLA
6 – La muerte del A?ngel (arr. Leo Brouwer) 

J. S. BACH
7 – “Sarabande” (IV mov.) from Cello Suite n.5 in Cm (BWV 1011) 

ASTOR PIAZZOLLA
8 – “Roma?ntico” (II mov.) from Cinco piezas para guitarra 

J. S. BACH
9 – “Siciliana” (III mov.) from Violin Sonata n.1 in Gm (BWV 1001) 

ASTOR PIAZZOLLA
10 – Milonga del A?ngel (arr. Baltazar Beni?tez) 

J. S. BACH
11 -“Sarabanda” (III mov.) from Violin Partita n.2 in Dm (BWV 1004) 

Ficha técnica

Zoran Dukic – Bach – Piazzolla

Idealização: GuitarCoop
Gravação: Sala Boa Vista / Estúdio Giba Favery
Datas: Nov/2016
Engenharia de Som: Ricardo Marui
Assistentes de gravação: Henrique Caldas, Thiago Abdalla
Mixagem: Ricardo Marui, Homero Lotito, Thiago Abdala

Masterização: Homero Lotito
Produção Musical: Everton Gloeden
Textos: Sidney Molina
Tradução: David G. Molina

Design Gráfico / Web: Eduardo Sardinha
Produção Web: Patricia Millan
Fotos / Vídeos: Eduardo Sardinha
Violão:: Daniel Friederich (1999/cedar top)
Cordas: D’Addario strings
Microfones: Royer SF-24, DPA 2006
Sistema de Gravação: Antelope Zen-Studio
Pré-amplificador: Millenia HV-3D
Software de Gravação e Edição: Pro Tools 8 HD
Cabos: Audioquest King Cobra, Van den Hull D-102



Dedicado para Helen

Welcome Back!

Login to your account below

Create New Account!

Fill the forms bellow to register

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?